sábado, 17 de novembro de 2007

Judaísmo – Cristianismo - Islamismo


Judaísmo
Conta a História que : “A importância histórica dos hebreus encontra-se em sua religião: a primeira experiência monoteísta vitoriosa. Provavelmente influenciados pela reforma do faraó Ikhnaton, pois naquele momento encontravam-se no Egito...”
Apopstila nº8 do Anglo

A cronologia Judaica:
1.800 a 1.300 aC. - Abraão e as histórias patriarcais
1.300 a 1050 aC. - Formação do povo de Israel
1.230 aC. - Saída do povo de Israel do Egito
1.190 a 1.040 aC. - Tomada de Canaã
1.040 a 931 aC. - Monarquias de Israel – Saul, Davi e Salomão
931 aC. - Divisão da monarquia – Israel ao Norte e Judá ao Sul
722 aC. - Fim do reino de Judá – domínio assírio
586 aC. - Fim do reino de Israel – domínio babilônico – Nabucodonosor invade e põe fim ao reino de Judá
586 a 538 aC. - Exílio na Babilônia – quando foram escritos a maior parte dos textos bíblicos.
538 a 332 aC. - Volta à Palestina mas a Judéia passa a ser uma colônia persa
332 a 141 aC. - Judéia passa a ser uma colônia grega – quando foi feita a tradução dos textos bíblicos para o grego.
167 a 164 - Revolta dos Macabeus
140 a 63 aC. - Independência – governo dos Amoreus
63 aC. -Palestina sob o domínio romano.
6 aC. - Nascimento de Jesus (data aproximada)
30 dC. - Morte de Jesus
36 dC. - Conversão de Paulo
70 dC. - 1° destruição de Jerusalém pelos romanos
166 dC. - Roma tenta reconstruir Jerusalém com o intuito de transformá-la numa cidade grego-latina – os judeus não aceitam, e assim os judeus foram dizimados por Adriano, que matou 500 mil judeus, e vendeu os sobreviventes como escravos, espalhando-os pelo mundo.

1939 - Com o início da II Guerra Mundial os judeus migram em massa para a Palestina, que dá origem a uma série de conflitos armados até hoje.
1948 - A ONU reconhece o Estado de Israel – mas esse “reconhecimento” não impediu os conflitos que se arrastam por décadas...

E, dentro desse quadro histórico não posso deixar aqui uma profecia feita por Jesus:
“E cairão ao fio de espada, e para todas as nações serão levados cativos; e Jerusalém será pisada pelos gentios, até que os tempos dos gentios se completem.” Lucas 21.24



Cristianismo

Que herdou parte de sua doutrina e dogmas do judaísmo, acrescentando aos textos judaicos do Antigo Testamento, o Novo Testamento com a doutrina de Jesus.

Em 325 dC., a Igreja de Roma é reconhecida como oficial, época em que o Império Romano, já em crise, ainda dominava grande parte da Europa, Ásia e África.

Com o Cisma do Oriente, no ano de 1054 a Igreja de Roma perde o controle sobre a Igreja Ortodoxa Oriental ou Bizantina, Igreja esta que permanece até os dias de hoje apesar dos inúmeros esforços da Igreja Romana de retomar o poder.

Entretanto, todas elas são “cristãs”, isto é seguem a doutrina de Cristo, (pelo menos é o que afirmam) e consequentemente, seguem os textos bíblicos à risca – considerados a palavra de Deus.

Mas, os textos do Antigo Testamento, escrito quase em sua totalidade em hebraico, foi no reinado de Ptolomeu Filadelfo, rei do Egito – 285 a 246 aC.- traduzido do hebraico para o grego por 72 sábios, e esta tradução é conhecida por “Versão dos Setenta”, que contém várias obras consideradas não autênticas tento pelos Protestantes quanto pelos Israelitas e Católicos.

No século V de nossa era, a Versão dos Setenta foi traduzida para o latim, bem como os livros do Novo Testamento, tradução esta coordenada e revista por São Jerônimo (todos são santos), padre da Igreja Latina, descrito como sendo um apologista (aquele que tem o dom da oratória capaz de justificar e defender qualquer princípio ou sistema) vigoroso e violento.

Essa versão, chamada Vulgata, passou então a ser a única admitida pela Igreja de Roma, versão esta rejeitada por Lutero, que afirmava que havia muitos erros na tradução, opinião essa compartilhada pelos Cabalista e Gnósticos, dando origem, no século XIII, ao que a História chama de Cisma do Ocidente, quando surgem os primeiros movimentos revolucionários dentro da Igreja, que apesar das tentativas de repressão acabaram por se alastrar por toda a Europa, culminando em grande crise na religiosidade, que acabou por subtrair metade da população da Europa central e meridional à obediência da Igreja Romana, dando início ao Protestantismo, com Martinho Lutero por volta de 1522, que seguiu em diversas vertentes e em um sem número de Igrejas, apesar dos esforços da Igreja de Roma de conter qualquer outra versão ou interpretação bíblica, lançando mão de queimar manuscritos gregos e hebraicos – além de combater com armas, desde sempre, tudo e todos que divergissem de seus “dogmas” em diversas “Guerras Santas”, tais como as contra os hereges Cátaros na Cruzada Albigene – 1209 a 1229 - que consistia em matar cristãos ‘de outro tipo’, quando milhares de cátaros foram exterminados, por ordem do Papa Inocêncio II (ironia esse nome), e por fim a Santa Inquisição, que tinha por um dos objetivos perseguir e eliminar todos os humanistas, calvinistas e luteranos, como também todos os hereges e bruxas.

Finalmente, o concílio de Trento - 1545 a 1563 – quando se decidiu a reforma geral da Igreja de Roma em face ao Protestantismo, foi determinado que seria possível consultar os textos gregos e hebreus (na maior parte já incinerados), mas que a Vulgata deveria ser considerada como texto original e o único autêntico, isto é – a tradução feita dos textos originais passa a ser o texto original, invertendo portanto a ordem das coisas.

Segundo F.V. Lorenz: “Moisés escreveu a sua obra em estilo simbólico, como era costume dos antigos iniciados. Ele deixou para a compreensão do seu livro explicações orais que foram esquecidas, com pequenas exceções, pelos exegetas posteriores; só alguns iniciados as conservaram... Também nas traduções posteriores não foi apresentado senão o sentido exterior da Bíblia, a assim aconteceu que a Cristandade recebeu e venera este livro, sem o compreender, porque os tradutores ignoram a verdadeira língua de Moisés.”

E, H.P.Blavatsky complementa: “... Lidos à luz do Zoar, os quatro primeiros capítulos do Gênesis são os fragmentos de uma página altamente filosófica de cosmogonia. Vistos em sua aparência simbólica, não passam de um conto para crianças, um espinho incômodo cravado no flanco da ciência e da lógica... Deixá-los servir de prólogo ao Cristianismo foi como uma cruel vindita dos rabinos, que sabiam melhor o que significava o seu Pentateuco. Foi um protesto mudo contra a espoliação de que eram alvo...”[1] DSI – 70



A Bíblia e seus Mistérios

As Igrejas pregam a existência de um único e absoluto Deus, infalível, onipotente etc., entretanto, certas passagens do Antigo Testamento nos levam à perplexidade:
Parece que Ele não estava só quando realizou a 1° criação do homem e da mulher:

“ E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem,
conforme à nossa semelhança...
E criou Deus o homem à sua imagem...
macho e fêmea os criou.”
Gênesis – cp 1 v 26 e 27


“E viu Deus tudo quanto tinha feito, e eis que era muito bom:
e foi a tarde e a manhã do sexto dia.”
Gen. cp 1 v 31

Nesse 6° dia, a obra está completa e terminada, e no 7° dia Deus descansa, e havia realizado a 1º criação citada; Adão e Eva entram em cena mais adiante, somente no capítulo seguinte,
depois do 7° dia?

A seguir, no Capítulo 2 de Gêneses v.7 e 22, temos que acontece uma 2º criação[2], bem mais conhecida entre todos: a criação de Adão modelado com ‘pó da terra’, e da criação de Eva retirada da costela de Adão.

E lá estavam o primeiro casal, felizes no paraíso, e incumbidos de procriar e povoar o mundo[3], de sujeitar e dominar toda a natureza, ordem essa rigidamente cumprida, como podemos hoje amargamente verificar – tudo destruído.

Continuando, parece que Deus não é assim (segundo o texto) tão senhor absoluto e onipotente, uma vez que sua bela e boa criação foi assaltada por uma simples serpente que se esgueirando sorrateira e astutamente, criada também por Deus, induz Eva a comer o ‘fruto proibido’, introduzindo assim o mal no Paraíso e trazendo a desgraça para a humanidade que ainda nem existia.

E por conta de uma serpente e uma mísera maçã, nossos progenitores primordiais são expulsos do paraíso, e perdem todas as mordomias tendo a partir desse momento ganhar o pão com o suor de seu rosto (Gen. 3.19), mas que pão? Já existiam padeiros? E nossos políticos por muito mais continuam com suas gordas mordomias, mas isso é outro caso.

Voltando então à Bíblia ...

Então, nascem Caim e Abel, (provavelmente Eva pariu com dor, porque faz parte do castigo), e, sob o título: “O primeiro homicídio”, Caim mata Abel, temos então o primeiro crime hediondo da humanidade que contava então com 4 indivíduos. (E ainda pensamos que a violência de hoje é um fenômeno atual).

“ E saiu Caim de diante da face do Senhor,
E habitou na terra de Node, na banda do oriente do Édem.
E conheceu Caim sua mulher...
E ele edificou uma cidade...”
Gen. 4. 17,18

De onde surgiu essa esposa de Caim? Seria ela uma das mulheres originadas da 1º criação? Mas o dogma afirma que foi criado Adão, Eva; e Abel estando morto, somente restou, além deles, Caim, que além de achar uma esposa, edifica uma cidade!!!!

Dentro de todo esse contexto, o que era ‘muito bom’, deixou de ser, a criação continua cada vez mais corrupta, (e nos queixamos de nossos políticos), e, sob o título:

“A corrupção geral do gênero humano”, Gênesis, cap 6

v.5 a 7 “...viu o Senhor que maldade do homem se multiplicara sobre a terra,
E que toda a imaginação dos pensamentos de seu coração era má continuamente.
Então arrependeu-se o Senhor de haver feito o homem.
E disse o Senhor:
Destruirei, de sobre a face da terra, o homem que criei, desde o homem até o animal,...
Porque me arrependo de os haver feito.”

Até os animais, coitadinhos, entraram na dança, criaturas do Senhor Criador, que tinha, no 6° dia, considerado tudo ‘muito bom’, o que indica porque conviver com a raça humana, é tão difícil, nem Deus agüentou, que dirá nós, pobres mortais.

E lá vem o dilúvio, Noé e seus filhos, foram escolhidos, os responsáveis para seguir adiante com a determinação de repovoar a terra, e navegaram em sua Arca, até baixarem as águas. Passada a tormenta, desembarcaram em terra firme, a primeira providência de Noé é plantar uma vinha[4] e fazer vinho, com o qual se embebeda, e bêbado fica nu, aquelas coisas desagradáveis de bêbado. Por conta disso acontece uma briga familiar, que acaba sobrando para Cão, que é amaldiçoado. Deve ser daí que vem a história de “levar uma vida de cão”. Será que este estado de coisas que somos obrigados a ver acontecendo diariamente no mundo é conseqüência ainda da desobediência de Adão e Eva, que nem o extermínio de todos,-exceto Noé e seus filhos- foi capaz de apagar? Mas, seria isso justo? Ou será que a criação não foi “muito bom”.
Qual é a verdade?

Talvez porque a humanidade seja filha do pecado, afinal Adão e Eva não receberam o sagrado sacramento do matrimonio e assim somos todos filhos bastardos e ilegítimos ou algo ainda mais sugestivo como filhos da ....

Ainda no 2° capítulo sobre a Corrupção Geral do Gênero Humano, temos um fato no mínimo intrigante:
v2 ”Viram os filhos de Deus
Que as filhas dos homens eram formosas;
e tomaram para si mulheres de todas as que escolheram.
v4 “Havia naqueles dias gigantes na terra;
e também depois, quando os filhos de Deus entraram às filhas dos homens,
e delas geraram filhos:
estes eram os valentes, os varões de fama.”

Quem são estes “filhos de Deus” que tem filhos com as “filhas dos homens”, produzindo uma geração de gigantes e varões de fama? Esse fato não é mais intrigante do que Adão, Eva, Caim, Abel, Noé, Abrão, Moisés, (e outros que no momento não me recordo), falarem diretamente, e, ao que parece, constantemente, com Deus, recebendo suas ordens direta e pessoalmente, como indica os textos.

Não é menos intrigante, “A confusão das línguas” no episódio da torre de Babel, isso porque os homens tentaram edificar uma alta torre que tocasse os céus. Será que é por isso que nas grandes cidades como Nova York, São Paulo, etc, as pessoas não se entendem? Talvez, não sei. O fato é que no texto isso fica claro, Deus fica furioso com isso, e manda um castigo daqueles…

E Abraão, que estava sossegado na Mesopotâmia, recebe ordens de Deus para ir para a Palestina, viagem essa que acarreta até os dias de hoje conflitos no Oriente Médio, e disse o Senhor, em Gênesis capítulo 12:
v 1 a 3 “ ...Sai-te da tua terra...para a terra que eu te mostrarei.
E far-te-ei uma grande nação,
e te abençoarei, e engrandecerei o teu nome
e tu serás uma benção....e em ti serão benditas todas as famílias da terra.”

Desde que não habitem o Oriente Médio, bem entendido, pois desde a chegada de Abraão à Palestina, passando pelo episódio da tomada de Canaã, até os episódios mais recentes, onde Israel continua ainda, às duras penas, lutando por sua Terra Prometida, envolvendo nessa luta, mortes e destruição, parece que muita coisa não mudou, e a Terra Santa é o lugar de grandes conflitos milenares, Terra Santa? Bem é o que dizem. E as promessas feitas a Abrão e Moisés? Foi engano? Mais um engano? Será que Deus se arrependeu mais uma vez? A justificativa é que o “povo escolhido pecou”. Deus poderia ter escolhido um povo melhor, mas parece que ele se arrependeu. Antes tarde do que nunca.

E lá vai o povo de Israel para o Egito, muito tempo depois, atrás de comida, é acolhido, e ficam por lá por uns 400 anos, até que muda o governo e a mordomia acaba, e são obrigados a trabalhar, entra de novo o senhor Javé em cena e convoca Moisés para comandar a fuga do Egito, não sem antes de muito bate-boca e pragas, rãs, piolhos, moscas, pestes nos animais, gafanhotos, trevas, morte de criancinhas e ameaças... e até demonstrações de alta magia. Então o povo de Israel recolhe uma boa e gorda quantidade de ouro prata e outras coisinhas mais, suficiente para construir o bezerro e a Arca, como também para ofertar a Javé.( Ex cap. 25 trata disso)

E o coitado do Moisés, tem que levar aquele povo todo pelo deserto, que não paravam de reclamar... por 40 Anos, ninguém merece...

No Sinai recebe Moisés as Tábuas dos Mandamentos, e, ao que parece, o lei que mais teve sucesso e aceitação, até os dias de hoje foi a do “olho por olho e dente por dente”- Ex.21.24, que diga-se de passagem fazia parte da legislação de Hamurabi, rei de Babilônia, de 600 anos antes.

Será que esse mesmo Senhor Javé[5], que em seu nome foram criadas as Cruzadas, as Guerras Santas e a Santa Inquisição, (que de santas não tinham nada) quando milhões de pessoas foram sumariamente executadas, que deu ordens de exterminar tudo o que tivesse fôlego de vida, como podemos ler em diversas partes do texto que relata sobre a tomada de Canaã, em favor de um povo escolhido não é o mesmo Alá dos mulçumanos fundamentalistas, que espalham o terror no mundo?

Quem é esse Ser, confundido com o Criador de todas as formas e de todos os seres, que despreza e manda exterminar povos, raças, que se arrepende, volta atrás em suas decisões. Que se alimenta de sangue humano e do sangue dos holocaustos de animais[6], sacrificados em sua “honra”? Que se alimenta de ódio, vingança, e crueldade? Qual será a verdadeira identidade de Javé e Alá que se esconde por detrás da máscara de “um deus”? Não é esse o Deus que eu conheço, Deus é Pai e não carrasco de suas criaturas.

Mas os fatos estão aí, escrito nas “Sagradas Escrituras”, e na História da Humanidade, escrita com sangue; sangrenta história de vinganças, guerras e extermínios em massa, sob o sagrado manto das religiões monoteístas.

São estes os dogmas que temos engolido, durante séculos sem questionar...


O texto acima eu postei em um grupo do MSN e recebi a seguinte resposta:

De: josia3075
Enviado: 14/5/2007 02:41

SABE QUAL É O UNICO DEUS BOM?
É AQUELE QUE TE PROMETE UM PARAISO DE PROSTITUIÇÃO.
QUE O HOEMEM TEM DIREITO A DEZENAS DELAS.
QUE MANDA DESTRUIR AS PESSOAS DIZENDO QUE É GUERRA SANTA.
A BÍBLIA PRA VOCES NÃO TEM SIGNIFICADO NENHUM.MAS LEMBREM-SE QUE UM DIA O DEUS DE IISRAEL PEDIRÁ CONTAS A TODOS VOCES,ISSO TENHA CERTESA!

À qual eu respondi:

De: Rita682

A Guerra Santa - Tomada de Canaã

"E naquele tempo tomamos todas as suas cidades, e destruímos todas as cidades, homens mulheres e crianças: não deixamos ninguém. Somente tomamos em pressa o gado para nós, e o despojo das cidades que tínhamos tomado... nenhuma cidade houve que de nós escapasse: tudo isso o Senhor nosso Deus nos entregou diante de nós." Deu.2.34,35

"Havendo-te pois o Senhor teu Deus introduzido na terra que jurou a teus pais, Abraão, Isaque e Jacó, te daria, grandes e boas cidades que tu não edificastes. E casas cheias de todo o bem, que tu não encheste, e poços cavados, que tu não cavaste, vinhas e olivais que tu não plantaste, e comeres, e te fartareis."
Deu. 6. 10,11

"Então certamente ferirás ao fio da espada os moradores daquela cidade, destruindo ao fio da espada a ela e a tudo o que nela houver, até aos animais."
Deu. 13.15


Mas a doutrina de Jesus afirma que...
"... todos os que lançarem mão da espada à espada morrerão."
Mateus 26.52

"Portanto, tudo o que vós quereis que os homens vos façam, fazei-lho também vós,
porque esta é a lei e os profetas."
Mateus 7.12

"...Misericórdia quero, e não sacrifício, não condenareis os inocentes."
Mateus 12.7

"Amarás o teu próximo como a ti mesmo."
Mateus 22.39



Eis uma comparação entre o Senhor Javé e Jesus. Se você não é capaz de ver a contradição entre eles, então nada mais tenho a dizer.



Quanto ao Deus de Israel pedir contas, diz a Bíblia que:

"Porque és povo santo (Israel) ao Sanhor teu Deus: e o Senhor te escolheu, de todos os povos que há sobre a face da terra, para lhes seres o seu povo."
Deu.14.2

EU NÃO SOU ISRAELITA, NEM JUDIA... Sou Cristã
Jesus é o expoente máximo da Sabedoria e da Verdade, ele pregou o amor, o perdão, a caridade, o respeito. Uma nova Lei, Um Novo Testamento, uma nova forma de pensar e ver o mundo com tolerância e confiança... para que posamos compreender que Deus é AMOR ABSOLUTO, É PAI AMOROSO, E NÃO MANDA "SEU POVO" MATAR NINGUÉM...

"...Não Temas, crê somente."
Marcos 5.36


Mas...

“...talvez a idéia judia de um deus masculino não tenha sido idealizada até o cativeiro na Babilônia, dado que foi ali, e não em outra parte, que se compilou boa parte dos livros que posteriormente formaram a Bíblia. É por isso que, nela, são incorporadas histórias claramente sumérias e mesopotâmicas, como a Torre de Babel, o Jardim do Édem ou o Dilúvio Universal.” [7]
As Chaves do Código Da Vinci pg.41.

.”As últimas escavações feitas na Babilônia têm fornecido inúmeros tijolos com inscrições de Yevah, o que prova, sem receio de contestação, ser esse nome muito anterior a Moisés, e, portanto, sujeitos à controvérsia os versículos 5 e 6 do capítulo XXXIV de Êxodo, que pela primeira vez, se referem ao nome de Jeová...” Leterre – 41

Portanto temos que:

“O erro desce por um plano inclinado,
Ao passo que a verdade tem que subir penosamente a escarpa da colina.”
H.P.Blavatsky




Moisés e o Egito

“E Moisés foi instruído em toda a ciência dos egípcios;
e era poderoso em suas palavras e obras.”
Atos cap.7 v.22

O grande libertador dos israelitas, que tinha penetrado no Santuário do Egito e fora iniciado nos Mistérios, escreveu os seus livros em estilo simbólico, servindo-se da língua egípcia. Esta língua, porém, que tinha chegado ao mais alto grau de perfeição, não pode conservar-se em sua pureza nas mãos de um povo grosseiro, que passava a vida nômade nos desertos da Induméia.

Moisés o sabia e, por isso, prevendo a sorte que aguardava o seu livro e as falsas interpretações que lhe iam dar no decorrer dos tempos, confiou as chaves da sua obra a homens seguros, cuja fidelidade tinha sido comprovada, dando-lhes de viva voz os esclarecimentos necessários para a compreensão da Lei (Thorá).
...
Moisés entregou a Josué as chaves da tradição oral; mas não foi nas mãos da tribo sacerdotal de Levi que se conservara, mas nas comunidades leigas de profetas e videntes, das quais a mais notável foi a seita
dos Essênios."
Lorenz
"Foi a Josué que Moisés confiou as chaves da tradição oral; mas essas chaves enferrujaram-se,...através do terror das guerras, das revoluções civis sofridas por Israel até Esdras[8]...” Papus – 52

“Com o decorrer dos séculos, mudou-se o caráter da língua do povo hebreu, misturando-se com elementos estrangeiros, de maneira que, 600 anos antes da era cristã, os judeus não compreendiam mais a língua de Moisés, usando um dialeto sírio-arameu. O conhecimento do verdadeiro sentido esotérico conservou-se somente entre os Essênios.

Também nas traduções posteriores não foi apresentado senão o sentido exterior da Bíblia, e assim aconteceu que a cristandade recebeu e venera este livro, sem o compreender, porque os tradutores ignoram a verdadeira língua de Moisés.”
Lorenz – 10

“Entretanto, é claro que Moisés, sendo o chefe, era o Hierofante dos Mistérios; e, por outra parte, que, se ao mesmo tempo vemos os Profetas condenarem as “abominações” do povo de Israel, é porque existiam duas escolas. A expressão “Serpentes de Fogo” era, portanto, o epíteto aplicado aos Levitas da casta sacerdotal, depois de afastarem da Boa Lei e dos ensinamentos tradicionais de Moisés. Isaías, ao falar dos “filhos rebeldes” que teriam de transportar suas riquezas para as terras de onde vinham “a víbora e serpente de fogo voadora”[9], ou seja para a Caldéia e o Egito, cujos Iniciados já haviam degenerado muito em sua época (700 antes de Cristo), aludia aos feiticeiros daqueles países[10]...”
DSIII - 230

Na literatura egípcia temos o Livro dos Mortos, um a compilação de textos que deveriam ser recitados pela alma do morto ao comparecer perante o tribunal de Osíris, eis um desses textos:
“Glória a ti, Senhor da Verdade e da Justiça!
Glória a ti, Grande Deus, Senhor da Verdade e da Justiça!
A ti vim, meu Senhor, e a ti me apresento para contemplar as tuas perfeições.
Porque te conheço, conheço o teu nome e os nomes das quarenta e duas divindades que estão contigo na sala da Verdade e da Justiça...
(e segue o morto, agora em sua ‘defesa’)
Não cometi qualquer fraude contra os homens;
não atormentei as viúvas;
não menti em tribunal;
não sei o que é má fé;
nada fiz de proibido;
não obriguei o capataz de trabalhadores a fazer mais que o trabalho devido;
não fui negligente;
não estive ocioso;
nada fiz de abominável aos deuses;
não prejudiquei o escravo perante o seu senhor;
não fiz padecer de fome;
não fiz chorar;
não matei;
não ordenei morte à traição;
não defraudei ninguém;
não tirei os pães do templo;
não subtrai as oferendas dos deuses;
não roubei nem as provisões nem as ligaduras dos mortos;
não auferi lucros fraudulentos;
não alterei as medidas dos cereais;
não usurpei terras;
não tive ganhos ilegítimos por meio dos pesos do prato da balança;
não tirei o leite da boca dos meninos;
não cacei com redes as aves divinas;
não pesquei os peixes sagrados dos seus tanques;
.....etc. (várias ofensas aos deuses)
Sou puro! Sou puro! Sou puro!

Semelhantes são as leis Mosaicas – salvo algumas que mais parecem pertencer ao Código de Hamurabi – Rei da Babilônia e contemporâneo de Abrão - 1.800 aC., entre elas:
Se alguém penetrar numa casa por arrombamento, deve morrer...
quando um arquiteto construir uma casa, tão negligentemente que ela desmorone, e que o proprietário morra na derrocada, esse arquiteto deve ser morto.
Se o filho do proprietário morrer, o filho do arquiteto deve ser morto também.
Se morrer um escravo do proprietário, o arquiteto deverá dar ao cliente um outro escravo.

Provavelmente seja desse Código, que derivou nas leis mosaicas o famoso “Olho por Olho”:
“Quem ferir alguém, que morra ele também... Olho por olho, dente por dente, mão por mão, pé por pé, queimadura por queimadura, ferida por ferida, golpe por golpe.”
De Êxodo cap.21 v. 12 a 36

Que Jesus refutou completamente:
“Ouvistes o que foi dito:
Olho por olho e dente por dente.
Eu porém vos digo que não resistais ao mal,
Mas se qualquer lhe bater na face direita, ofereçe-lhe também a outra.
E ao que quiser... tirar-te o vestido, larga-lhe também a capa....”
Mateus cap. 5 v. 38

É claro que essa doutrina é quase que totalmente esquecida pelos ditos “cristãos” que preferem o “Olho por Olho” das leis mosaicas, com muito mais afinidade à alma humana....

O Pantateuco – os cinco livros atribuídos a Moisés, a saber:
Gênesis
Êxodo
Levítico
Números
Deuteronômio
Sobre ele assim afirma a CNBB[11]:
“Nesses cinco livros encontramos histórias e leis que foram postas em escrito durante seis séculos, reformulando, adaptando e atualizando tradições antigas e criando novas...

As histórias aí contidas, na sua maioria nasceram no meio do povo e, primeiramente, eram histórias de famílias e clãs e de tribos que procuravam transmitir oralmente, de geração em geração, ensinamentos e fatos. Mais tarde essas histórias foram reunidas, modificadas e interpretadas para que o povo de Israel pudesse se espelhar nelas...”


E François-Xavier Chaboche completa:
“A Bíblia, traduzida para o grego (pelos Setenta), em latim (Vulgata de São Jerônimo) ou em linguagem vernácula (francês, inglês, russo...) não significa muita coisa, pois não se pode traduzir senão o sentido literal do texto, isto é, o seu nível de significado o mais superficial..."

A dificuldade de tradução é, aliás, comum a todas as línguas sagradas e profundamente cheias de imagens.... são intraduzíveis, sem traição ao seu sentido mais profundo.

Mas os textos bíblicos comportam, igualmente, numerosas alusões cifradas que não são captadas nas traduções...há numerosos mâshâl (ou aforismos numéricos, sob a forma: “seis vezes de angústia ele te livrará, e uma sétima o mal te poupará..“ (Jô 5,19), as cifras ao mesmo tempo simbólicas e estatísticas..., além das diversas séries de 7,...O Apocalipse também é cheio de números...e convida mesmo ao seu estudo:”Que o possuidor de inteligência calcule o número da besta! É um número de homem. Seu número é seiscentos e sessenta e seis.” Apoc.13,18). O que leva Santo Agostinho a dizer, de acordo com outros Padres da Igreja, que a inteligência dos números impede a compreensão de muitas passagens figuradas e místicas das Escrituras. E Pascal, o matemático místico, lhe faz eco:’O Velho Testamento é uma cifra...’ ”
Chaboche - 60

Uma das cifras que aparecem várias vezes é o número 40,
Onde o 4 representa a matéria e o 10, refere-se à 10º letra do alfabeto hebraico o iod – que significa “ordem”, e corresponde ao atributo de ‘Deus eternamente vivo’, sendo também a imagem da manifestação potencial, da duração espiritual, da eternidade e do poder ordenador.

Iod exprime o começo e o fim de tudo, onde o 1 representa o Princípio Único – o Ser, e o 0 o Nada Relativo, que colocando-se na ordem posterior, contribui para a elevação do todo.

4 x 10 = 40 que simboliza a ordenação e elevação da matéria, o começo e o fim da matéria, no sentido de ‘re-qualificação e transmutação’.
Um período durante o qual esse processo deva se realizar.

Temos então que os 40 dias ou anos, representam um período de ‘purificação’.
Tal qual estamos hoje acostumados com os termos “quarentena” - período em que se fica incomunicável, “quaresma” – período de abstinência.

Então, o Dilúvio durou 40 dias e 40 noites – também onde há o simbolismo de Luz e Trevas - (Gen. 7.12)
O povo de Israel fica por 40 anos no deserto. (Num. 14.33,34)
Moisés fica 40 dias no monte Sinai – Êxodo 24.18
Jesus jejuou por 40 dias antes de começar sua missão.( Mat.4.2 e Lc. 4.2)
Jesus depois de ter padecido, se apresentou vivo, sendo visto ainda por 40 dias, com os apóstolos. (Atos 1.3)

Do mesmo modo, o 7 é um número cabalístico,
sendo a soma ou união do Ternário 3 – ou Consciência Criativa
e o 4 - matéria

O primeiro nome divino da Cabala é EHIEH, nome da essência divina, escrito misticamente na forma de triângulo formado por três Iods, que representam os três atributos de Deus de onde emana a criação, dando ao nascimento às dimensões temporais.
O primeiro Iod mostra a Eternidade, dando nascimento ao Tempo na sua tríplice divisão – Passado, Presente, Futuro.
O segundo Iod mostra o Infinito, dando nascimento ao Espaço na sua tríplice divisão – Comprimento, Largura, Altura.
O terceiro Iod mostra a Substância, dando nascimento à Matéria em sua tríplice divisão – Sólido, Líquido, Gasoso.

A soma do Ternário com o Quartenário (4) a Matéria, temos o Universo físico, manifestado,
o 7 – representa, portanto, a união da Matéria com o Plano Divino ou Essência Divina, finalizando assim o Ato da Criação.

Ensinam os cabalistas que no Sétimo Dia da Criação, o Universo é destinado a elevar-se e unir-se ao Pai, não somente através da inteligência (representada pelo 5) mas através de uma consciência capaz de se “unir” com Deus, no sentido mais profundo da expressão. Isso é pura metafísica.[12]


Outra semelhança entre as diversas religiões é a Trindade:
Isto porque a Unidade ao se manifestar, produz a dualidade[13], a união 1+2 formam a tríade que é o princípio de reintegração ou síntese, sendo portanto o princípio de equilíbrio. Daí vem, como mencionado acima, as tríplices divisão do Infinito, Eternidade e Substância. Dessa forma, a divindade é Uma, porque é infinita e Tríplice porque está sempre se manifestando.

Temos então as Trindades em:

Cristianismo –
Pai,
Filho e
Espírito Santo

Cabala –
Kheter ou Coroa – Potência Suprema,
Chohmah - Sabedoria Infinita,
Binah - a Inteligência Suprema.
Que formam a primeira tríade das Sefirotes da Árvore Cabalística, onde a Potência suprema repousa sobre a Sabedoria Imutável e sobre a Inteligência Suprema, representando os três primeiros atributos de Deus..

Hinduísmo –
Brahma – a Potência Suprema de onde tudo procede
Shiva – deus da criação e destruição, é o grande dançarino cósmico que sustenta através de sua dança o ritmo do Universo.
Vishnu – o preservador do Universo, também conhecido por Krishna[14].

Budismo esotérico –
Parabrahman – o Cosmos que tudo contém o Espaço Cósmico Infinito - A Realidade Uma, o Absoluto, que encerra a dualidade
Espírito e
Matéria que são duas facetas ou aspectos de Parabrahman, formando uma tríade metafísica ou raiz de onde procede toda a manifestação.

E assim, em poucas palavras e muito sumariamente, expomos alguns conceitos que poderão servir para ampliar e aprofundar a compreensão dos textos bíblicos que foram torcidos e retorcidos à vontade durante milhares de anos...




Islamismo

Maomé, nascido na cidade de Meca na Arábia, entra em contato com a cultura judaico-cristã, e conta a lenda que inspirado por Deus e tendo como base de sua doutrina o Antigo Testamento escreve o Alcorão – o Livro Sagrado do Islã.

Certos autores dizem que Maomé[15] foi inspirado pelo Anjo Gabriel, o mesmo que anuncia o nascimento de Jesus à Maria, como relata Lucas cap.1 v.26, e que aparece sempre nos textos bíblicos com a função de dar uma notícia.[16]

O que podemos saber ao certo é que as leis do Alcorão são muito semelhantes às leis mosaicas do Antigo Testamento, ambas:
1. proíbem a adoração de imagens
2. dogmatizam um juízo final
3. a ressureição
4. a crença nos anjos
5. a poligamia chega a ser um status social, uma vez que é dever tratar as esposas de modo igual, e portanto, quanto mais ricos mais esposas podem ter.
6. e o adultério da mulher é punido com o apedrejamento até a morte, o adultério masculino só é assim considerado quando ele se ‘deita’ com uma mulher casada, desrespeitando assim o marido traído.

Dia um autor que:
“O islamismo era um credo democrático e tolerante. Todos os homens seriam iguais perante Alá e os cristãos e judeus poderiam salvar-se. Profunda mudança operou-se, porém, com o desenvolvimento do credo islamita. Tornou-se uma religião guerreira e juntamente com a máxima suprema La illa Allah, Mohammed rasul Allah (Só Alá é Deus e Maomé é seu profeta) o Islã passou a admitir que a espada fosse a chave do paraíso e que todo aquele que caísse no campo de batalha, na luta pelo Islã, teria os pecados perdoados.” HG – 195

Segundo os textos bíblicos, o povo árabe é descendente de Abraão, que teve um filho com a escrava Hagar chamado Ismael, que Sara – esposa de Abraão – manda que Hagar seja mandada embora. Abraão, mesmo contrariado obedece, porque Javé diz a ele que:
“...também do filho desta serva farei uma nação, porque é tua sememte” Gen. 21 v 13

E Hagar sai errante pelo deserto, com o filho nos braços, sem água, pensando que iam morrer, deita-se sob uma árvore e chora, e então é socorrida por Javé (?), e ela encontra um poço e dá de beber ao seu filho Ismael. Temos aqui, talvez, a ligação entre Javé e Alá.

Segundo consta, há no Templo de Meca um poço, que a tradição mulçumana diz ser o mesmo poço que Javé fez brotar para Hagar e Ismael.

“...Cada religião possui o esboço de seu deus; e instrui a pensar e crer dentro dos limites desse esboço. Entrementes,... o Dia do Juízo intelectual aproxima-se de nós cada vez mais. As nuvens teológicas desvanecerão, rasgar-se-ão como pedaços de neblina. Com o passo decisivo para o cosmo, teremos de reconhecer que apenas existe um Deus único, e não dois milhões de deuses, vinte mil seitas ou dez grandes religiões.” EDA? - 69


E aqui terminamos nossa breve apresentação das principais religiões monoteístas Ocidentais e do Oriente Médio. Desejo aqui declarar que o que combato não é uma ou outra religião, pois todas têm sua função específica, e sua razão de existir. Minha indignação vai para os dogmas que se deformaram ao longo dos tempos, por ignorância, e principalmente pelo desejo dos sacerdotes de manter os fiéis sob sua ‘tutela’ ou, em outras palavras ‘no cabresto curto’ impedindo assim de obterem um pensamento próprio e a Verdade. Mas cada ovelha tem o pastor que merece.....





[1] Ver “Línguas, Escrita e Literatura”
[2] A Bíblia da CNBB afirma que o 1° capítulo “...não é um tratado científico, mas um poema...Foi escrito pelos sacerdotes no tempo do exílio na Babilônia (586-538 ac)...” e o 2° capítulos foi elaborado no tempo do rei Salomão, por volta de 950 ac, portanto 400 anos antes.
[3] Gen 1.28
[4] Gen 9 v20 a 27
[5] Ou Jeová, optei por Javé para não confundir com “As Testemunhas de Jeová” outra religião.
[6] Ver Levítico cap.17 v 1 a 16 Lev. 22 v 17 a 33 e em diversos outros lugares...
[7] A CNBB, confirma essa afirmação na Bíblia por eles editada em 1990
[8] Esdras – um dos livros da Bíblia – personagem que reconduziu o povo hebreu exilado.
[9] Cap.30 v6
[10] Os sacerdotes de Baal – um nome hebre, um nome local.
[11] Confederação Nacional dos Bispos do Brasil
[12] Todos esses conceitos serão demonstrados mais completos em “Criação...”
[13] Bem e mal, luz e trevas, positivo e masculino, yin e yang, todas as coisas manifestas têm dois pólos, dois aspectos mecessariamente.
[14] Christos
[15] Ver “Língua, Escrita e Literatura”
[16] E o Espiritismo é considerado uma heresia por pretender se comunicar e receber informações dos espíritos.

8 comentários:

  1. Meu voce nao sabe de nada, cala te para DEUS nada é impossivel, quando DEUS fala o mundo se abala, DEUS é um ser onipresente onipotente se vc esta duvidando da palavra de DEUS entao guarde pra voce nao leve mais ninguem para o inferno vpa voce sozinho. A cobra ja estava atentando, desde o principio agora la vem voce junto. ah vai procurar o que fazer em ficar postando merda. Se só restou caim DEUS PODIA MUITO BEM FALAR HAJA HAJA HAJA HAJA. e HAJA sua mula anta quadrada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. srsrsr

      garanto que vc. não leu
      se leu (é claro!) não entendeu

      faz o seguinte - vá escrever suas sandices em outro lugar ok?
      aqui é espaço de estudo e não de fanatismos ignorantes

      Excluir
  2. Muito bom o post, mostra q todas as religiões estão ligadas por algo (Deus verdadeiro) e que não adianta ter preconceito porque são todas iguais, o que muda é apenas a simbologia, e os interesses políticos dos lideres religiosos
    Você não citou mas também tem umas relações com as politeístas, na mitologia grega, Prometeus deu o fogo (inteligencia) aos humanos, assim como no Antigo Testamento teve a Arvore do Conhecimento. Está tudo conectado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Matheus

      está sim tudo conectado ou transmitido por uma Tradição
      na Mitologia Grega temos Prometeu que moldou o ser humano com barro e lágrimas
      e na Sumeriana temos o deus que tbm molda os seres humanos com barro - são meras simbologias

      complicado é ver algumas religiões se auto-declarando verdade absoluta e demonizando outras

      Excluir
  3. a mitologia foi posta e declarada depois de cristo não existe seguidores e mais o simbolo zodiaco tem a terra redonda sendo que naquela epoca era plana ´-´ e mais os deuses tem a mesma 25 de dezembro sendo que as datas deles eram diferentes

    ResponderExcluir
  4. Quando iniciei minha pesquisa diletante acerca da origem do cristianismo, eu já tinha uma ideia formada que pode parecer esdrúxula: nada de Bíblia, teologia e história das religiões. Todos os que haviam explorado esse caminho haviam chegado à conclusão alguma. Contidos num cercadinho intelectual, no máximo, sabiam que o que se pensava saber não era verdade. Dentro desses limites reina a teologia e não a história. É isso o que a nossa cultura espera de nós, pois não tolera indiscrições. Como o mundo não havia parado para que o Novo Testamento fosse escrito, o que esse mesmo mundo poderia me contar a respeito dessa curiosidade histórica? Afinal, o que acontecia nos quatro primeiros séculos no mundo greco-romano, entre gregos, romanos e judeus? Ao comentar o livro “Jesus existiu ou não?”, de Bart D. Ehrman, exponho algumas das conclusões as quais cheguei e as quais o meio acadêmico de forma protecionista insiste ignorar.

    http://cafehistoria.ning.com/profiles/blogs/paguei-pra-ver

    ResponderExcluir
  5. Quando iniciei minha pesquisa diletante acerca da origem do cristianismo, eu já tinha uma ideia formada que pode parecer esdrúxula: nada de Bíblia, teologia e história das religiões. Todos os que haviam explorado esse caminho haviam chegado à conclusão alguma. Contidos num cercadinho intelectual, no máximo, sabiam que o que se pensava saber não era verdade. Dentro desses limites reina a teologia e não a história. É isso o que a nossa cultura espera de nós, pois não tolera indiscrições. Como o mundo não havia parado para que o Novo Testamento fosse escrito, o que esse mesmo mundo poderia me contar a respeito dessa curiosidade histórica? Afinal, o que acontecia nos quatro primeiros séculos no mundo greco-romano, entre gregos, romanos e judeus? Ao comentar o livro “Jesus existiu ou não?”, de Bart D. Ehrman, exponho algumas das conclusões as quais cheguei e as quais o meio acadêmico de forma protecionista insiste ignorar.

    http://cafehistoria.ning.com/profiles/blogs/paguei-pra-ver

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. formidável esse texto Ivani

      é assustador como uma mentira pode atravessar séculos e milênios a alcançar tantos milhões de pessoas

      grata pela participação e por mostrar seu texto

      abraços Rita

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...